16% das empresas está a sofrer incumprimentos significativos

42% das empresas detecta uma deterioração nos níveis de solvência dos seus clientes causada pelo impacto da pandemia, segundo a Crédito y Caución e Iberinform.
Foto: Scott Graham (Unsplash)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Em 2021, 16% das empresas portuguesas sofreu incumprimentos significativos, apesar das injecções de liquidez e dos estímulos fiscais recebidos para atenuar os efeitos económicos da Covid-19. De facto, 42% das empresas detecta uma deterioração nos níveis de solvência dos seus clientes causada pela pandemia que gerou um agravamento do risco de crédito associado à sua carteira. Estes são alguns dos dados mais relevantes evidenciados pelo inquérito de Outono do Estudo de Gestão de Risco de Crédito em Portugal, desenvolvido pela Crédito y Caución e pela Iberinform.

A partir de Março de 2020, o país adoptou medidas extraordinárias para dotar de liquidez adicional um tecido produtivo que se viu obrigado a reduzir de forma drástica os seus níveis de facturação. A deterioração actual dos níveis de solvência resulta da combinação de vários factores. Por um lado, as empresas fizeram uso das facilidades de liquidez e estão agora mais endividadas do que antes da pandemia, o que agravou os seus custos financeiros. Por outro lado, muitas empresas ainda estão longe de recuperar os níveis de facturação anteriores à pandemia. Por último, há um aumento dos custos de operação, derivado das matérias-primas, da energia e do desajustamento logístico das cadeias de fornecimento, que não pode se facilmente transferido para as margens. Tudo isto pressiona os níveis de solvência e de liquidez. O estudo mostra que 41% do tecido empresarial prevê que o nível de incumprimento dos seus clientes aumente nos próximos meses.

Embora não se preveja que as empresas portuguesas alcancem os seus níveis de facturação pré-pandemia antes de 2022, três em cada cinco empresas, cerca de 61%, espera melhorar os seus resultados no comparativo com 2020. As previsões sobre o impacto desta maior actividade económica na rendibilidade das empresas não mostram a mesma intensidade. Apesar do incremento dos níveis de facturação, apenas 52% das empresas espera aumentos nos lucros e uns significativos 22% espera mesmo um agravamento face a 2020. Este efeito explica-se, em boa medida, pelo aumento dos custos de operação e pelo incremento dos custos financeiros pela deterioração da solvência empresarial.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DESTAQUES

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ÚLTIMAS

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE