2022 começa com subida de preços de produtos e serviços

O ano novo de 2022 começa com uma subida generalizada dos preços de produtos e serviços, face aos custos do transporte, energia e escassez de matérias-primas.

O ano novo de 2022 começa com uma subida generalizada dos preços de produtos e serviços, em grande parte, devido ao efeito da escalada dos custos com os transportes, energia e escassez de matérias-primas.

Alimentação

Os custos com combustíveis, electricidade, matérias-primas e fertilizantes, têm vindo a provocar aumentos nos bens alimentares. A carne, o peixe e os legumes já reflectem essas actualizações há algumas semanas e tudo aponta para novos aumentos nestas e noutras categorias de alimentos no início do ano.

Vestuário

O aumento dos custos de produção levará ao a uma subida dos preços do sector do vestuário. De acordo com um inquérito da McKinsey e da Business of Fashion, 67% dos empresários desta área apontam para aumento dos preços do retalho em 3%. Há ainda 15% que vão subir os preços nas suas lojas em 10% ou mais.

Electricidade

O preço da electricidade, para os cerca de 915.000 consumidores particulares que ainda permanecem no mercado regulado, vai subir, em média, 0,2%, como já tinha sido anunciado, a 15 de Dezembro, pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. Contudo, em comparação com os valores pagos neste mês de Dezembro, verifica-se uma descida de 3,4%.

No mercado liberalizado, as tarifas de electricidade da EDP Comercial vão subir em média 2,4% em 2022, o que corresponde a um aumento de cerca de 90 cêntimos por mês para os clientes particulares.

A Galp vai aumentar os preços da electricidade a partir deste sábado, uma subida que rondará os 2,7 euros mensais para as potências contratadas mais representativas do mercado.

Já no caso da Endesa, os preços da electricidade para particulares e pequenos negócios vão manter-se, sem reflectirem a escalada do custo da energia no mercado grossista ibérico.

Gás

Os consumidores que utilizam gás de botija podem preparar-se para pagar mais por esta fonte de energia em 2022. Uma botija de gás butano de 13 quilos já custa, em média, 29 euros, e uma de 54 quilos 120 euros. É quase o dobro do valor cobrado em Espanha.

Rendas

Em Outubro, o Instituto Nacional de Estatística confirmou que as rendas vão subir 0,43% em 2022, depois de um ano em que permaneceram congeladas, representando um aumento de cerca de 43 cêntimos por cada 100 euros de renda.

Portagens

Depois de quatro anos consecutivos de aumentos, em 2020 e 2021 os preços das portagens não foram alterados. Já para 2022, o Instituto Nacional de Estatística aponta para um aumento generalizado no preço das portagens nas auto-estradas a rondar os 1,84%, tendo em conta a taxa de inflação homóloga, sem habitação em Outubro, o mês que serve de referência para a actualização das tarifas a cobrar nestas vias.

Entretanto, na quarta-feira, a Brisa divulgou que vai avançar com aumentos médios de 1,57% nos preços das portagens das vias de que é concessionária.

Transportes

O preço dos transportes públicos será actualizado em 0,57%, de acordo com a informação da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes.

Ainda assim, há empresas e autarquias que vão optar por manter alguns preços em 2022, em especial dos passes.

Telecomunicações

Nas telecomunicações, a Altice, que detém a marca MEO, foi a primeira a avançar que irá “actualizar o preço base da mensalidade nos seus tarifários e pacotes a partir de 1 de Janeiro, de acordo com as condições contratuais”. O aumento das mensalidades será de 50 cêntimos.

Por outro lado, a NOWO indica que não tem prevista qualquer alteração aos preços dos seus serviços de telecomunicações.

A Vodafone e a NOS ainda não confirmaram se haverá alterações nos valores a cobrar em 2022.

Inspecção de veículos

A tabela de preços das inspecções periódicas de veículos para 2022 foi publicada na segunda-feira em Diário da República, tendo sido actualizada com base na inflação de 0,99%.

Os veículos ligeiros passam a pagar mais 25 cêntimos, num total de 25,85 euros, acrescido de IVA, enquanto os veículos pesados passam a pagar 38,69 euros, mais IVA, o que se traduz numa subida de 38 cêntimos.

Já para motociclos, triciclos e quadriciclos, o valor cobrado actualmente é de 12,89 euros e vai passar para 13,02 euros, ou seja, mais 13 cêntimos.

Comissões bancárias

O que já não surpreende os portugueses são as comissões bancárias e os sucessivos aumentos. Novobanco, Activo Bank e Millennium BCP foram os primeiros a anunciar mudanças nos preçários.

O Novobanco já comunicou que, a partir de Março, vai aumentar o valor das comissões de gestão das contas às ordem, além das anuidades dos cartões de débito e de crédito. O Activo Bank vai alterar o custo dos serviços de notas estrangeiras, e o Millennium BCP fará actualizações nos valores a cobrar nas contas e na prestação de serviços.