80% aceitam prazos de pagamento superiores aos desejados

Segundo o estudo elaborado pela Crédito y Caución e Iberinform, a falta de disponibilidade de fundos é a principal razão para os atrasos nos pagamentos.

Segundo o estudo de Gestão de Risco de Crédito em Portugal, promovido pela Crédito y Caución e pela Iberinform, os prazos de pagamento entre as empresas revelam uma contracção significativa. De acordo com o estudo, no qual participaram mais de 300 gestores de empresas de todas as dimensões e sectores, 11% do tecido produtivo nacional trabalha com prazos superiores a 90 dias, sete pontos abaixo do percentual registado em 2021. Doze pontos acima do ano passado, ou seja 53% das empresas, operam com prazos inferiores aos 60 dias previstos no Decreto-Lei n.º 62/2013 de transposição da Directiva Europeia de medidas de luta contra os atrasos de pagamento nas transacções comerciais.

O estudo releva, ainda, que 80% das empresas têm de aceitar prazos de pagamento superiores aos desejados para conseguirem manter a sua carteira de clientes. As pequenas e médias empresas apresentam um comportamento pior que as grandes empresas, uma vez que 40% das organizações de grande dimensão tiveram de aceitar prazos de pagamento superiores aos desejados contra 43% no segmento das PME. Este comportamento está relacionado com outras evidências reveladas pelo estudo, como o aumento dos problemas de liquidez do tecido empresarial. O melhor comportamento regista-se no sector público; apenas 11% das empresas com relações comerciais com a Administração Pública tem de aceitar uma extensão dos prazos de pagamento. A capacidade dos profissionais liberais para impor prazos de pagamento situa-se nos 27%.

Ao abordar as razões que explicam os atrasos nos pagamentos, a falta de disponibilidade de fundos (74%) é o motivo mais indicado, antes do atraso intencional dos clientes (50%). A complexidade dos procedimentos de pagamento (15%), a emissão de facturas incorrectas (3%) ou as disputas quanto à qualidade dos bens e serviços fornecidos (1%) completam os motivos apresentados pelos clientes para atrasar os seus pagamentos.