BPI quer €4.000 milhões em negócio sustentável até 2024

O BPI prevê o apoio social a mais de 200.000 pessoas. O investimento do BPI | Fundação ”la Caixa” será no mínimo de 120 milhões de euros até 2024.

O BPI apresentou esta semana o seu Plano Director de Sustentabilidade para o triénio 2022-2024 para ajudar a acelerar a transição para uma economia neutra em carbono e promover uma sociedade mais inclusiva, consolidando o compromisso do Banco com o desenvolvimento sustentável.

O BPI eleva os factores ESG (ambientais, sociais e de governação) a um nível estratégico e prioritário para o Banco, acompanhando as evoluções do sector, os crescentes requisitos regulatórios e as expecativas da Sociedade.

Esta visão estratégica de Banca Sustentável assenta em três eixos prioritários – apoiar a transição sustentável das empresas e da sociedade; liderar em impacto social e promover a inclusão social; liderar nas melhores práticas de governação.

João Pedro Oliveira e Costa, Presidente Executivo do BPI, salienta que “este plano representa o fortalecimento do nosso compromisso com as Pessoas, a Sociedade e o Ambiente. Estamos muito conscientes do papel crucial do BPI e da liderança que temos de assumir no apoio à transição das empresas. Em paralelo, e mantendo-nos fiéis ao nosso legado, consideramos também fundamental dar uma atenção particular ao pilar social. É um dever colectivo assegurar que os grupos mais vulneráveis não são prejudicados pelos impactos e custos da transição e que possam ter acesso a condições de vida dignas e a oportunidades de desenvolvimento”.

No âmbito do novo Plano Director de Sustentabilidade, o BPI pretende atingir a meta de 4.000 milhões de euros em volume de negócios sustentável até 2024. Deste total, o BPI pretende mobilizar 2.000 milhões de euros em financiamento sustentável, através do impulso de novos produtos ESG, assessoria e formação apara apoiar as empresas na transição. Em particular, as iniciativas a desenvolver vão dar atenção aos sectores em que a transição terá maior impacto, nomeadamente a agricultura, construção, energia e mobilidade.

Paralelamente, o BPI e o Grupo CaixaBank pretendem reforçar a liderança em operações de financiamento sustentável em Portugal, nomeadamente em matéria de green e social bonds, entre outros instrumentos financeiros com critérios ESG.

No segmento de particulares, o BPI vai apostar no desenvolvimento e comercialização de uma oferta sustentável, com foco na mobilidade e na habitação sustentável.

No domínio do investimento ESG, o Banco prevê gerar um volume de negócios de 2.000 milhões de euros em fundos e seguros desenhados de acordo com critérios de sustentabilidade. A BPI Gestão de Activos apresentou recentemente os fundos BPI Impacto Clima, os primeiros fundos portugueses que cumprem com os requisitos de transparência do Artigo 9.º – considerado o mais exigente – do regulamento de divulgação de informações relacionadas com a sustentabilidade no sector dos serviços financeiros (também conhecido pela sigla inglesa “SFDR”).

De acordo com o banco, estas iniciativas são o primeiro passo para se atingir a neutralidade carbónica na carteira de financiamento e investimento até 2050.

A componente social é também um dos eixos prioritários do novo plano, que prevê o apoio a mais de 200.000 pessoas. O investimento BPI | Fundação ”la Caixa” será no mínimo 120 milhões de euros no triénio 2022-2024. A actuação BPI | Fundação ”la Caixa” incide em 4 áreas temáticas: Programas Sociais, Investigação e Inovação em Saúde, Cultura, Educação e Bolsas.

No domínio da igualdade, o BPI pretende atingir a meta de 43% de mulheres em posições diretivas até 2024.