Burlas pesam 29% nas queixas relacionadas com a Black Friday

O Portal da Queixa recebeu mais de 700 reclamações na Black Friday de 2021, um aumento de 70% face a 2020. A área da tecnologia lidera em número de reclamações.

As queixas relacionadas com a Black Friday 2021 dispararam 70%. Foram muitos os avisos feitos aos consumidores pelas várias entidades relacionadas com o ecossistema do consumo, desde marcas, marketplaces, organizações ligadas ao consumidor, até aos organismos governamentais, forças de segurança e inclusive o sector bancário, mas não foi suficiente. As queixas relacionadas com burlas pesaram 29% nas reclamações relacionadas com a Black Friday, como revela uma análise do Portal da Queixa.

Entre 1 de Novembro e 1 de Dezembro de 2021 – período em que decorreram as promoções enquadradas na Black Friday -,foram registadas no Portal da Queixa 709 reclamações relativas à Black Friday, um aumento de 70% face ao período homólogo, onde se verificaram 416 reclamações.

Entre os principais motivos de reclamação apresentados pelos consumidores através do Portal da Queixa, estão problemas relacionados com burlas (29%), dificuldades na entrega do produto (26%) e falhas no apoio ao cliente e pós-venda (25%).

A análise realizada permitiu identificar quais foram as categorias com o maior volume de reclamações. Relacionadas com compras na área da Informática, Tecnologia e Som estiveram 50% das queixas dos consumidores. A segunda categoria mais reclamada foi Compras, Moda e Joalharia, ao reunir 37% das reclamações. Face a 2020, verificou-se um crescimento de 20% nas reclamações endereçadas à categoria Compras, Moda e Joalharia e um aumento de 10% na categoria Informática, Tecnologia e Som.

Recorde-se que, segundo o inquérito “Estudo Black Friday 2021”realizado pelo Portal da Queixa, 75% dos consumidores considerou que a Black Friday “já não faz sentido”, tendo em conta as campanhas promocionais efectuadas ao longo de todo o ano.

De referir ainda que, um estudo da SIBS, gestora da rede Multibanco, conferiu esta nova tendência de consumo, em que os portugueses tendem a dispersar a decisão de compra pelos vários dias de Black Week, e já não esperam por sexta-feira (Black Friday), como resultado “das campanhas comerciais que vão sendo cada vez mais antecipadas”.