Estudo da Cision revela os maiores desafios dos jornalistas

O estudo revela o desfio do combate a notícias falsas, a pressão para publicar novas histórias a uma velocidade cada vez maior e atrair novas audiências.

Embora o acesso a jornalismo de alta qualidade e a reportagem credível nunca tenha sido tão prevalecente, o papel dos media nunca foi tão desafiante, tendo em conta que enfrentam uma pressão crescente para aumentar a produção, produzir conteúdos convincentes que se destacam num ciclo noticioso de 24 horas, e impulsionar o envolvimento.

A Cision, uma plataforma de comunicação que ajuda os profissionais de relações públicas e marketing em todo o mundo a compreender, influenciar e amplificar as suas histórias, publicou o seu relatório anual sobre o ‘Estado dos Media’ com respostas de mais de 3.800 jornalistas de 17 mercados globais para compreender os principais desafios num mercado em rápida evolução, e como as relações públicas podem apoiar uma reportagem de primeira qualidade e de confiança.

Segundo o relatório, o maior desafio dos jornalistas é manter a credibilidade como fonte noticiosa de confiança (32%) e combater as acusações de “notícias falsas”. Em segundo lugar, os jornalistas citam o impacto de equipas reduzidas e menos recursos estão a ter nas suas cargas de trabalho. De facto, três em cada dez jornalistas (29%) estão a apresentar 10 ou mais notícias por semana.

Já não é tarefa de um jornalista apenas desenvolver as notícias, e isso abre a porta para que os comunicadores profissionais se associem com sucesso aos órgãos de comunicação para assegurar que as histórias sejam contadas de forma rápida, eficaz e relevante”, segundo Nicole Gulliot, Cision COO e Presidente da PR Newswire.

O que os jornalistas querem dos profissionais de relações públicas

No que diz respeito às fontes que os jornalistas consideram mais úteis para gerar histórias ou ideias de histórias, mais de um terço dos jornalistas (37%) citaram press releases, tornando-os a resposta de topo. Mais de três quartos (76%) querem receber press release de marcas e profissionais de relações públicas sobre qualquer outro tipo de conteúdo. As tendências e os dados de mercado ocupam o segundo lugar (63%) e quase metade (49%) quer receber convites para eventos.

Gulliot refere que os“os press release continuam o seu reinado absoluto e são o método preferido de fazer chegar as notícias aos órgãos de comunicação social de forma legítima, cuidada e urgente”.

De acordo com o estudo, para estabelecer relações mais fortes com os jornalistas, os profissionais de relações públicas devem estar cientes do seguinte:

Informação exacta e com fonte: Quase dois terços (60%) consideram indesculpável fornecer menos, dada a elevada necessidade de credibilidade e confiança do público.

Cumprir o prazo: Se não sentirem que os profissionais de RP estão a respeitar o seu tempo, um número significativo de jornalistas (22%) dizem que não vão arranjar tempo para esses profissionais de RP.

Parar com o spam: A grande maioria dos jornalistas (74%) não vai tolerar “ser inundados com pitches irrelevantes”, o que é mais uma razão para se certificar de que os pitches têm como alvo os órgãos de comunicação correctos. Na realidade, apenas 9% dos jornalistas dizem que a maioria dos pitches que recebem são relevantes.

Incluir multimédia: imagens, vídeos e infografias: 22% dos jornalistas afirmam que os comunicadores podem facilitar o seu trabalho fornecendo esses conteúdos nos seus press releases. Mais de metade (54%) dizem que têm mais probabilidades de cobrir uma história se esta incluir elementos multimédia.

Quando se trata da relação entre profissionais da indústria da comunicação e jornalistas, é necessário aliviar o encargo para os media”, como afirma Guillot. “Começa por conhecer os jornalistas certos, construir uma parceria baseada na confiança, e compreender a audiência que ambos estão a tentar alcançar em conjunto”.