INE: Risco de pobreza aumentou para 18,4% em Portugal

O estudo do Instituto Nacional de Estatística indica que 18,4% das pessoas estavam em risco de pobreza em 2020, mais 2,2 pontos percentuais do que em 2019.

O Instituto Nacional de Estatística divulgou esta sexta-feira o Inquérito às Condições de Vida e Rendimento, realizado em 2021 sobre rendimentos do ano anterior. O estudo indica que 18,4% das pessoas estavam em risco de pobreza em 2020, mais 2,2 pontos percentuais do que em 2019. A taxa de risco de pobreza correspondia, em 2020, à proporção de habitantes com rendimentos monetários líquidos (por adulto equivalente) inferiores a 6.653 euros (554 euros por mês).

O crescimento do risco de pobreza foi mais severo no caso das mulheres (mais 2,5 pontos percentuais, ao passar de 16,7% em 2019 para 19,2% em 2020), em particular no caso das mulheres idosas (mais 3,0 pontos percentuais, de 19,5% para 22,5%).

O INE lembra que a estratégia económica de crescimento da União Europeia para a próxima década, designada estratégia Europa 2030, define, entre outros objectivos, a redução do número de pessoas em risco de pobreza ou exclusão social na União Europeia em, pelo menos, 15 milhões de pessoas até 2030, e define um novo indicador de monitorização da população em risco de pobreza ou exclusão social, que conjuga as condições de pobreza relativa, de privação material e social severa e um novo indicador de intensidade laboral per capita muito reduzida.

Em 2021, com base nos rendimentos de 2020, em Portugal, 2.302.000 pessoas encontravam-se em risco de pobreza ou exclusão social (pessoas em risco de pobreza ou vivendo em agregados com intensidade laboral per capita muito reduzida ou em situação de privação material e social severa). Consequentemente, a taxa de pobreza ou exclusão social foi de 22,4%, mais 2,4 pontos percentuais do que no ano anterior.