Portugal no ranking de países que mais se endividam no Natal

Unir a família e responder às suas expectativas, são as razões pelas quais, um em cada cinco pais europeus (16%) afirmam contrair mais dívidas nesta época.

A quatro dias do Natal, o ECPR 2021 – European Consumer Payment Report, um estudo da Intrum, conclui que Portugal ocupa o 10º lugar no ranking dos 24 países onde os consumidores mais se endividam durante o Natal. No “Top 3” dos países mais endividados estão: a Irlanda, Grécia e Reino Unido.

De acordo com o ECPR 2021, unir a família e responder às suas expectativas, são as razões pelas quais, um em cada cinco pais europeus (16%) afirmam contrair mais dívidas durante a época natalícia. Em Portugal o valor é igual ao da média europeia.

O estudo demonstra que são as famílias com filhos (20%) que sentem mais esta questão, em comparação com as famílias sem filhos (13%). A média europeia é de 21% e 12% respectivamente.

São também as pessoas com rendimentos mais baixos que mais contraem dívidas durante a época natalícia (23%) em comparação com a média europeia (17%).

Quando analisado por idades, a Intrum conclui que a Geração Z (18-21 anos) assume que irá contrair mais dívidas para comprar presentes de Natal (27%), em comparação com a média europeia, que é de 29%. Segue-se os Millennials (22-37 anos) e a Geração X (38-44 anos) com percentagens de 19% e de 18% respectivamente.

Para Luís Salvaterra, Diretor-Geral da Intrum Portugal, “para além do mais recente estudo da Intrum concluir que Portugal é um dos países onde as pessoas mais contraem dívidas para comprar presentes e comida, numa época festiva como o Natal, o ECPR conclui também que 21% dos portugueses acreditam que vão ficar mais endividados no final de 2021 do que alguma vez já estiveram. A média europeia é de 17%. As famílias com um rendimento mais baixo e com filhos são as que mais sentem esta pressão”.

O estudo da Intrum demonstra ainda que no final do Natal de 2021, Portugal passa para o 8º lugar no ranking dos 24 países que acreditam ficar mais endividados do que alguma vez já estiveram.