Preços prosseguem trajectória ascendente no mês de Maio

O preço do petróleo registou um valor médio de 103,4 euros por barril nos primeiros treze dias do mês. Em Abril, o preço médio do petróleo foi de 96,7 euros.

No primeiro trimestre de 2022, o Produto Interno Bruto (PIB) em volume aumentou 5,1% na Zona Euro em termos homólogos, depois do crescimento de 4,7% que tinha sido observado no quarto trimestre de 2021, de acordo com os dados divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística.

Considerando a informação já disponível para Maio, o preço do petróleo (Brent) registou um valor médio de 103,4 euros por barril nos primeiros treze dias do mês. Em Abril, o preço médio do petróleo foi de 96,7 euros, traduzindo um aumento de 78,7% em relação a Abril de 2021 e uma redução de 9,2% quando comparado com Março deste ano.

Em Portugal, o PIB em termos reais registou uma variação homóloga de 11,9% no primeiro trimestre de 2022 e de 2,6% em cadeia. Segundo o INE, a aceleração em cadeia do PIB foi determinada pelo contributo mais positivo da procura interna, reflectindo a aceleração do consumo privado, devido sobretudo ao crescimento da despesa em diversas actividades de serviços, após o levantamento da generalidade das restrições à actividade económica impostas no contexto da pandemia Covid-19. O contributo da procura externa líquida manteve-se ligeiramente positivo.

O montante global de levantamentos nacionais, de pagamentos de serviços e de compras em terminais de pagamento automático apresentou um crescimento homólogo de 26,1% em Abril (29,9% no mês anterior).

O índice de preços na produção da indústria transformadora apresentou em Abril uma taxa de variação homóloga de 22,7% (20,1% no mês anterior), registando o crescimento mais elevado da actual série. Excluindo a componente energética, este índice aumentou 15,7% em termos homólogos, apresentando também o crescimento mais elevado da actual série (variação de 13,6% em Março).

Por sua vez, a variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi 7,2% em Abril, atingindo a taxa mais elevada desde Março de 1993. O indicador de inflação subjacente (IPC total excluindo bens energéticos e alimentares não transformados) registou uma variação homóloga de 5% (3,8% em Março), a mais elevada desde Setembro de 1995.